Coisas que você aprende quando está há quase um ano numa mini big band

por Rafa

1 – Ensaios de naipe são a coisa mais importante do mundo

2 – Um ensaio por semana é pouco

3 – Por outro lado, ensaios de cinco horas são um pouquinho demais

4 – Ter mais de um cantor (ou cantora) é bacana. Rola uma diferença de timbres e estilos, mesmo quando a galera canta dentro do mesmo estilo. Fora que tem músicas que escolhem alguns cantores e não outros, além de sempre ter gente pra fazer aquela abertura marota de vozes.

É o melhor dos dois mundos.

5 – O maestro manda. Mas o batera manda muito mais

6 – Saber montar um setlist bacana é uma arte que poucas pessoas dominam

7 – Sempre deixe a guitarra e o amp regulados para conseguir tirar um som razoavelmente forte. A galera com certeza vai reclamar enquanto você afina o instrumento e talz. Mas se você não fizer isso, o seu som vai desaparecer quando começar a pressão da batera, dos saxes e dos trompetes.

É melhor regular uma intensidade forte e ir tirando aos poucos do que fazer o contrário.

8 – Quando for aplicar o conselho acima, lembre-se de que todos os canais devem ter mais ou menos a mesma intensidade. Não faz sentido ligar o crunch para uma base e ele soar infinitamente mais forte que o resto da gig. A transição precisa ser similar em termos de volume, o que pode ser bastante complicado dependendo do equipamento.

A única excessão é quando um canal é usado só para solos: esse sim precisa estar sempre um pouco mais forte que o resto.

8 – Amp valvulado só presta quando tá quentinho.

Anúncios