Harmonia Lingüística

por Rafa

Uma piada recorrente nas aulas de harmonia e escrita musical é a terça das escalas e dos acordes.

Todo mundo que fez aula de leitura e escrita musical básica já ouviu aquela frase de que o acorde com terça maior é feliz e o acorde com terça menor é mais triste.

(isso quando o/a professor(a) em questão não faz uma cara feia quando toca o acorde menor e uma cara feliz quando toca o maior)

Depois de algumas risadas, o professor ou a professora vai lá e explica que não é bem assim: o som de terça maior é maior e o de menor é menor. Se aquilo desperta uma emoção ou outra, são outros quinhentos.

E, na real, são outros quinhentos mesmo: não cabe estudar esse tipo de correlação numa aula cujo propósito é ensinar a ouvir e escrever.

Pois bem… eis que em uma das lições do Pat Pattinson, ele fala justamente de harmonia linguística. Especificamente, ele fala das alterações de tom de voz utilizadas para criar expressão e significado. Por exemplo, aquela ligeira subida de tom ao final das perguntas, que serve para que o interlocutor perceba que a pergunta é mesmo uma pergunta e não uma afirmação.

Em um dos vídeos, ele fala sobre como utilizamos diferentes alturas para expressar emoções. Segundo o Pat, por exemplo, nós reclamamos da vida e pentelhamos os outros alterando o tom de voz em terças menores, e usamos as terças maiores para expressar felicidade. Manifestamos nossa angústia e nossa ansiedade em quartas, e nossa agressividade em quintas.

E faz todo sentido do mundo: determinadas expressões, por si só, podem denotar uma série de coisas. É justamente no tom de voz que o significado correto é construído.

Isso contradiz muita coisa ensinada em aulas de harmonia e escrita musical. Quero muito ler algum estudo sério desse assunto.

Anúncios