The Very Best of JHB

por Rafa

Diz a lenda que os bardos e poetas cegos enxergam coisas que nós videntes não enxergamos. Talvez eles sejam os verdadeiros videntes, por nos presentear com a verdade em forma de verso. Quanto a nós, com nossos supostos sentidos perfeitos, não enxergamos e nem entendemos porra nenhuma que se passa na nossa frente.

Jeff Healey era um desses. Canadense, Nasceu com um cancer raro nos olhos, que tiveram que ser removidos cirurgicamente quando ainda era um bebê. No lugar, colocaram próteses.

Começou a brincar com a guitarra aos três anos. Desenvolveu um jeito próprio de tocar, segurando a guitarra no colo como se fosse um piano.

Aos 17, já tocava profissionalmente com relativo sucesso nas noites de Toronto. Chegou a tocar nas rádios locais algumas vezes, mas só foi explodir mesmo depois de fundar a “Jeff Healey band” ao lado do baixista Joe Rockman e do batera Tom Stephen, quando foi descoberto por Stevie Ray Vaughan, outra lenda da guitarra.

Gravou cinco albuns entre 88 e 2000, com direito a indicação ao grammy e participação em filmes. Morreu quando estava para lançar o sexto álbum, aos 41 anos, vítima do mesmo cancer que lhe tirou a visão.

JHB

The Very Best of JHB saiu depois da morte do Jeff Healey. É uma compilação do quintessencial da banda. Só o melhor do melhor produzido ao longo do tempo. Um disco lindo e uma ótima iniciação à banda ao blues mais atual.

Destaque para as faixas “River of no Return”, minha musica favorita do grupo, “Badge”, clássico do Blues e a versão pessada e rasgada de de “While My Guitar Gently Weeps”. Na minha humilde opinião, a melhor versão já feita deste clássico do guitarrista dos Beatles. Tão boa que conta com a participação do próprio George Harrison.

Anúncios